Relatório: Hamas e militantes ligados ao Irã intensificam ação de arrecadação de fundos com Bitcoin

Um grupo militante vinculado ao regime iraniano e ao Hamas supostamente está aumentando suas atividades de captação de recursos com Bitcoin (BTC).

O estímulo para o aumento é declaradamente uma queda nos recursos, agravada pela recente rejeição do Irã ao pedido de apoio financeiro do grupo.

Uma análise das atividades do grupo foi detalhada em um relatório do Instituto Internacional de Combate ao Terrorismo (ICT), conforme relatado pelo Jerusalem Post em 19 de janeiro.

"Aumento irregular" nas atividades da carteira

O relatório do ICT alega que houve um “aumento irregular no escopo de atividade de um endereço de carteira BTC (1LaNXgq2ctDEa4fTha6PTo8sucqzieQctq) que está vinculado às atividades de captação de recursos do al-Nasser Salah al-Deen Brigades, afiliado ao Hamas e ao Irã, a ala militar dos Comitês de Resistência Popular da Palestina (PRC).

O PRC é uma coalizão de grupos locais armados, formada no final de 2000, em oposição ao que eles consideram a linha excessivamente conciliatória adotada pela Autoridade Palestina (PA) e pelo Fatah em relação ao regime israelense. As Brigadas al-Nasser foram ativas nas guerras de 2008-9 e 2015 em Gaza e entraram em confronto com as forças israelenses em novembro de 2018 em resposta ao assassinato de um militante do PRC.

As brigadas também foram responsáveis pelo sequestro do soldado israelense Gilad Shilat em 2006, eventualmente libertado como parte de uma troca de prisioneiros em 2011.

As brigadas arrecadaram quase US$ 24 milhões em Bitcoin

De acordo com as descobertas do ICT, uma análise minuciosa das transações associadas à carteira revelou que servia "um site financeiro aparentemente legítimo com o nome de cash4ps", o que aparentemente permite às brigadas enviar e receber fundos da faixa de Gaza, garantindo um grau de anonimato para doadores e beneficiários.

O relatório, que mapeou a rede de plataformas de mídia da brigada e várias estratégias de captação de recursos on-line, vincula o endereço da carteira a uma empresa supostamente identificada como operadora de uma conta registrada no Banco Nacional Islâmico (INB).

O INB foi colocado na lista negra pelo Tesouro dos Estados Unidos em 2010 devido a ser controlado pelo Hamas, que os EUA designam como organização terrorista. Também foi declarado ilegal pela Autoridade Palestina, a Autoridade Monetária Palestina e a Autoridade Palestina de Mercado de Capitais.

Em 1 de dezembro de 2019, o ICT alegou que o volume total de transações na carteira atingiu 3.370 Bitcoin (US $ 29 milhões no momento desta publicação), tendo realizado milhares de transações em um período de quatro anos.

O ICT identificou os dois endereços físicos da empresa na faixa de Gaza, além de uma figura-chave por trás do esquema de captação de recursos, Ramadan Alkurd (também conhecido como Wesam Ismael), cujos vínculos com o Hamas eles rastrearam e documentaram.

Um representante do ICT aconselhou o governo dos EUA a designar todas as contas identificadas no relatório como entidades afiliadas a terroristas e a implementar medidas regulatórias e legais mais robustas para as exchanges de Bitcoin em cooperação com aliados internacionais.

Isolamento financeiro do Hamas

O isolamento financeiro do Hamas decorre de sua classificação como organização terrorista, no todo ou em parte, por vários países e blocos internacionais - incluindo os EUA e a União Europeia.

Tendo governado a Faixa de Gaza desde 2007, o Hamas compreende um braço de serviço social "Dawah" e uma facção militante "Izz ad-Din al-Qassam Brigades", a última das quais iniciou o apelo de captação de recursos em Bitcoin deste ano.

Rússia, Turquia e China estão entre os que não designam o Hamas como entidade terrorista.

Conforme relatado, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam também se valeram de contribuições em Bitcoin, de acordo com investigações da empresa de inteligência blockchain Elliptic e outros.