O produtor de blocos da EOS “EOS New York” publicou dados supostamente mostrando que seis produtores registrados na rede são gerenciados por uma única entidade.

Em um "tuíte" publicado em 28 de novembro, a EOS Nova York se mostrou preocupada com os aparentes níveis de centralização e desvio de conduta, alegando que:

“Seis produtores registrados na EOS são gerenciados por uma única entidade. Isso é inaceitável. Solicitamos as assinaturas dos 50 principais produtores registrados, para que todos os detentores de token possam saber quem faz isso e quem não tolera tal improbidade.”

Produtores de bloco e "prova de participação delegada"

No ecossistema EOS, os Produtores de Blocos (Block Producers - BPs) são análogos aos mineradores na blockchain do Bitcoin (BTC), baseada em prova de trabalho (Proof-of-Work - PoW) ou nos nodes de staking em um protocolo de prova de participação (Proof-of-Stake - PoS).

A diferença da EOS está no mecanismo de consenso da rede, a "prova de participação delegada", segundo a qual - de acordo com os termos de governança estabelecidos pela constituição da EOS - os participantes da rede podem empenhar seus tokens para votar nos BPs como "delegados eleitos”.

Em vez de simplesmente empenhar tokens EOS como em um sistema PoS, os Block Producers colocam seu investimento na rede na forma de infraestrutura, suporte e desenvolvimento da comunidade.

Para aqueles que buscam votos para se tornar um BP, uma barreira à entrada é, portanto, ter recursos suficientes para fornecer a infraestrutura necessária para tocar o bom funcionamento e o crescimento contínuo do ecossistema EOS.

Na thread no Twitter, a EOS New York fornece aparentes evidências do banco de dados do domínio de registro eos.net, o que sugere que cada um dos seis domínios suspeitos de serem gerenciados por uma única entidade “foram registrados ao mesmo tempo pela mesma pessoa/organização”.

 

Captura de tela fornecida pela EOS NEW York via @eosnewyork, 26 de novembro

Resposta da comunidade

Respondendo ao "tuíte" da EOS Nova York, o usuário James Mart argumentou que abordar o problema de maneira manual e forense é meramente "enxugar gelo", que demanda tempo e, na melhor das hipóteses, "corrige temporariamente" o problema. :

“A votação ponderada em 1T1DV e em tempo de participação pelos pools de staking de Dan precisa ser nossa principal prioridade no momento. Ele resolverá permanentemente esse problema.”

A resposta de Mart foi contestada pelo trader de cripto Justin Buck, que localizou o problema no próprio mecanismo de consenso:

“O DPOS não é BFT [Byzantine Fault Tolerant "tolerante a falhas bizantinas"]. Vamos ser claros e honestos sobre isso."

Conforme relatado anteriormente, a Block.one, desenvolvedora da EOS, anunciou o lançamento da versão 2.0 do protocolo de código aberto EOSIO em outubro deste ano, com o objetivo de fornecer desempenho, segurança e eficiência de ganhos em contratos inteligentes.