Dados dos futuros de Bitcoin do CME Group mostram que interesse institucional não para de crescer

As opções de Bitcoin (BTC) do CME Group mais que dobraram seu volume negociado na primeira semana após a entrada em operação, mostram dados.

De acordo com dados fornecidos pela empresa, o volume de opções de Bitcoin disparou desde que foram lançados no dia 13 de janeiro.

Opções de futuros de BTC crescem

Em 17 de janeiro, o volume era de 122 contratos, no valor de 610 BTC (US$ 5,27 milhões). Em comparação, no primeiro dia, o volume era de 55 contratos, ou 275 BTC (atualmente no valor de US$ 2,37 milhões).

Os juros em aberto das opções atingiram 219 contratos em 17 de janeiro, equivalente a 1.095 BTC (US$ 9,45 milhões).

Bitcoin options open interest

Opções de Bitcoin. Fonte: Skew Markets/ Twitter

Como o Cointelegraph relatou, o CME já considerava suas opções um "sucesso" no lançamento, enquanto os analistas sugeriram a adoção sinalizando um compromisso institucional com os futuros de Bitcoin.

As ofertas de futuros também tiveram forte desempenho no final da semana passada, com o CME vendo volumes totais de 7.245 contratos (36.225 BTC ou quase US$ 313 milhões). A menor operadora, Bakkt, negociou US$ 15,2 milhões no dia.

No final da semana passada, houve um declínio constante para a Bakkt, de acordo com dados do recurso de monitoramento de mídia social Bakkt Volume Bot.

Polêmica sobre o token da Binance

Enquanto isso, até os volumes da CME parecem baixos em comparação com a Binance.

Segundo seu site, os futuros de Bitcoin da Binance negociavam 111.000 BTC (US$ 959 milhões) apenas nas últimas 24 horas. O volume até supera o dos mercados spot da Binance 3:1, sugerem dados recentes.

Ao mesmo tempo, uma suposta discrepância na forma como a Binance queima seu token interno, o Binance Coin (BNB), levou um crítico a reivindicar um jogo sujo por parte dos executivos.

A Binance diz que queima os tokens BNB a cada trimestre, em relação aos seus lucros trimestrais totais. Em setembro, isso começou a incluir produtos futuros.

Em um tweet na terça-feira, Tim Copeland, jornalista do canal cripto Decrypt, destacou uma mudança no whitepaper como prova de que a Binance agora queimava o BNB com base no volume, não no lucro.

“Isso foi discretamente removido de seu whitepaper há algum tempo. Foi preciso pelo menos no primeiro ano. Portanto, as estimativas de lucro podem não ser precisas”, alertou.