No início de fevereiro, o mercado de criptomoedas estava indo muito bem, com muitas altcoins pressionando acima de suas linhas de tendência descendentes de 2 anos e quebrando acima da média móvel de 200 dias em surtos de volume surpreendentemente altos que proporcionaram aos investidores retornos de dois dígitos quase que diariamente.

Em 13 de fevereiro, o Bitcoin (BTC) estava sendo negociado a US$ 10.500 e analistas otimistas previam que a qualquer dia os níveis de resistência de US$ 11.000 e US$ 11.500 seriam eliminados, abrindo a porta para um rápido retorno à zona de US$ 12.000. Mesmo quando o preço do Bitcoin foi rejeitado em US$ 10.400, e recuou para US$ 9.500, o sentimento do investidor permaneceu otimista, pois muitos analistas acreditavam que um novo teste de US$ 9.400 era inevitável.

Tudo isso mudou com a chegada do coronavírus. Formalmente conhecido como COVID-19, o vírus vinha sendo manchete desde o final de dezembro de 2019, mas nas últimas duas semanas viu o medo de contágio se espalhar para os mercados globais, à medida que os investidores começaram a refletir sobre os piores cenários nos quais a propagação do vírus poderia impactar a produtividade econômica.

Tabela de preços de uma semana no mercado de criptomoedas. Fonte: Coin360

Como amplamente coberto pelo Cointelegraph, os mercados globais e os preços das criptomoedas implodiram na semana passada, limpando US$ 3,6 trilhões em valor do mercado de ações e US$ 48 bilhões no mercado cripto. O preço do Bitcoin caiu US$ 1.500 em apenas uma semana e os analistas agora temem que o ativo digital possa revisitar a zona de US$ 7.000 se os mercados globais continuarem caindo.

O que a atividade on-chain diz sobre o Bitcoin?

Os investidores que confiam na análise técnica padrão provavelmente adotaram um ponto de vista de baixa no preço de curto prazo do Bitcoin. Mas o que a atividade on-chain do Bitcoin diz sobre o estado atual do maior ativo digital do mercado?

Para entender melhor, o Cointelegraph conversou com o cofundador da glassnode, Jan Happel, sobre uma variedade de métricas de blockchain e como elas podem informar os investidores sobre o estado atual e futuro do preço do Bitcoin.

Cointelegraph: O preço do Bitcoin fechou a semana passada em queda de US$ 1.500 e o sentimento do investidor teve uma queda, de acordo com o Crypto Fear & Greed Index. Os dados on-chain do Bitcoin também fornecem o mesmo ponto de vista?

Jan Happel: Geralmente, o sentimento entre os investidores de Bitcoin de longo prazo parece ser positivo agora. O Bitcoin ASOL (tempo médio de produção gasto) é uma métrica que mostra a idade média (em dias) dos resultados das transações.

Enquanto o ASOL permanecer baixo, não precisamos nos preocupar que os detentores de longo prazo estejam tentando mover e vender suas moedas. Semanas consecutivas de picos nessa métrica podem ser alarmantes - historicamente isso era observável durante períodos de grandes vendas.

Bitcoin ASOL. Fonte: glassnode.com

CT: E a enorme liquidação e queda de preços da semana passada? Isso significa que os investidores em Bitcoin estão saindo do mercado?

JH: Não necessariamente, o gráfico do Bitcoin HODL waves mostra que o número de Bitcoins que não se movem há mais de 2 anos ainda está aumentando, o que é mais um sinal de que mais investidores estão segurando suas moedas do que apenas um ano atrás.

Bitcoin HODL Waves. Fonte: glassnode.com

Além disso, os lucros não realizados - unrealized profits - estão em um nível saudável e não mostram sinais de que o mercado chegou ao topo agora. Historicamente, esse indicador era muito bom para alcançar os melhores resultados em um mercado supervalorizado - atualmente, está em um nível semelhante ao que estava no início dos mercados anteriores de alta.

Bitcoin Unrealized Profit. Fonte glassnode.com

CT: Durante o final de 2018 e a maioria do ano de 2019, a mídia relatou quase semanalmente que vários aspectos da rede Bitcoin atingiram novos máximos de todos os tempos. O que os dados on-chain nos dizem hoje sobre a atividade real na rede Bitcoin?

JH: A atividade e o crescimento da rede estão se recuperando desde o ano passado. Por exemplo, as contagens de transações estão subindo novamente, que são essencialmente o número total de transações entre entidades diferentes, mas não incluem transações que ocorrem nos endereços da mesma entidade.

O número de endereços com saldos diferentes de zero - addresses with non-zero balances - também está atingindo novos máximos de todos os tempos a cada semana.

Bitcoin Addresses with Non-Zero Balance. Fonte glassnode.com

Nossa equipe de P&D descobriu recentemente que mais de 75% do volume da Bitcoin na cadeia não muda de mãos. De fato, um relatório recente do glassnode afirma que:

“Os dados na cadeia são, sem dúvida, altamente valiosos, mas em sua forma bruta, eles não são bons o suficiente. Eles contém uma quantidade substancial de ruído e é necessário um pré-processamento e contextualização cuidadosos para extrair informações úteis deles.”

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as visões do Cointelegraph. Todo movimento de investimento e negociação envolve risco. Você deve realizar sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.