Antes de trabalhar escrevendo sobre criptomoedas, atuei por mais de 12 anos na política eleitoral e nos seus bastidores.

Durante este tempo conheci muita gente e entre tantas pessoas os cabos eleitorais e lideranças políticas que, juntos com tantos outros, integram um aspecto importante da lógica eleitoral brasileira e de como é formada a elite política do Brasil.

Estas pessoas são 'compradas', ou seja, tem seu apoio a determinado candidato vendido seja por dinheiro ou com cargos em comissão. Na maioria dos casos, ambos.

Essa troca de favores por sua vez é revertida no famoso 'jeitinho' brasileiro, ou seja, a liderança, em troca de apoio  ao candidato X, quando este eleito, consegue indicar uma pessoa de sua confiança para ficar na secretaria de educação, por exemplo, e esta por sua vez, deve favor a liderança X que, para se manter como liderança, usa da influência para, por exemplo, conseguir uma vaga na creche para alguém do qual vai exigir o apoio lá na frente.

O que isso tem a ver com o preço do Bitcoin?

Aparentemente nada, mas lá no fim do texto talvez faça sentido.

Queda no preço do Bitcoin

Neste domingo, 18 de abril, enquanto o preço do Bitcoin caiu mais de 10% eu estava conversando com uma destas lideranças que conheci no meu tempo na política. 

Natural de Valente, na Bahia, seu Júlio veio para São Paulo tentar a sorte como tantas outras pessoas. Comunicativo e, segundo ele próprio, conhecedor do 'homem e da mulher'", Seu Julio também havia arriscado fazer uma 'fezinha' no Bitcoin e como ele sabia que eu escrevia sobre isso agora, me ligou e conversamos.

Feliz com seu investimento, Sr Júlio disse que tinha vendido todo seu Bitcoin quando conseguiu tomar, nesta semana, a primeira dose da Coronavac.

Não olhou gráficos, análises, estudos, ondas ou se a Visa, Tesla, Banco do Brasil ou sei la quem tivesse anunciado aceitar Bitcoin.

Vendeu porque tomou a vacina.

E daí?

Intrigado com o seu relato perguntei o que a vacina tinha que ver com o preço do Bitcoin, ao que Sr. Julio respondeu, simples e direto.

"Rapaz quando o cabra volta para festas, pra putaria, esse negócio ai de Bitcoin vai cair. Vai ser só o cabrunco, tu vai ver"., disse.

Não entendi nada e pedi explicação para o 'analista'.

"Pois veja, o cabra hoje num pode faze nada. Num pode asar uma carne que vem a polícia encher o saco. Num pode ir para putaria porque tá fechado. Num pode ir pro bar. Pra levar a amante pro motel é mais difícil. Nem leva a família pra comer fora, passear, nada. O bicho tem dinheiro e tem que ficar em casa, trancado. Faz uma coisinha aqui outra ali, mas nada de farra. Pra que comprar um carro novo se tu não pode mostrar ele pra ninguém? Tem graça essa vida assim não. Ai o cara pega o dinheiro e coloca nisso ai, Bitcoin, nf sei la o que, que nunca entendi isso ai. Veja rapaz a mulecada ta em casa com a testosterona batendo na tampa e não pode fazer nada. O que ele faz, arrisca nisso ai", disse.

E, segundo Sr. Júlio, não é só o "cabra" não, mas a mulher também.

"É o cabra, é a mulher, é tudo. O povo num gosta de dinheiro não. O povo gosta de farra. Se o cabra é louco por dinheiro tu vai ver que ele quer mais dinheiro só para se mostrar. Ninguém quer dinheiro por dinheiro, no fundo o que o povo quer, seja homem ou mulher, é os 'pecado capitar' e isso tu só consegue gastando dinheiro e não guardando. Quando a vida começa ao normal o povo vai vender esse Bitcoin ai para poder voltar as coisa como era.", argumentou.

Argumentei com ele que isso não era ciência e que ele tava doido. Agora tinha ETF e muito interesse das empresas e que até o homem mais rico do mundo tinha comprado Bitcoin.

Investimento institucional

Então o Sr. Julio lançou sua sabedoria.

"Tu trabalhou com político mas não aprendeu nada. Quem tem ideia e convicção morre pobre. Empresa nenhuma gosta de ideia, eles gostam de dinheiro. Se eles verem que eles podem ganhar dinheiro com isso, eles vai comprar. Se eles vêem isso num dá dinheiro, eles num vai comprar. É simples. Quem gosta de ideia é livro, porque o papel aceita tudo", pontuou.

Para o Sr. Julio quando a vida voltar ao normal as pessoas vão começar a vender seu Bitcoin e, com a venda, segundo ele, o preço vai começar a cair. As empresas para ele, ainda podem comprar esta venda do varejo no começo, contudo, para ele, depois eles não vão sustentar a compra e também vão começar a vender seus Bitcoins.

"Rapaz quem move o mundo é o povo e não as empresas. A empresa só existe porque o povo precisa comprar. Mas se o povo não compra, não existe empresa. Tu ja viu alguma empresa que vende pata de formiga? Não, agora e se alguém começar a comprar pata de formiga dizendo que aquilo tem valor, logo vai surgir até a pata de formiga premium com maca peruana", disse.

Dei risada e despedi de Sr. Julio.

Todo dia escrevo coisas que são o contrário do que ele me disse e os gráficos, analistas e tantos outros especialistas, assim como o IPO da Coinbase, apontam para uma direção contrária ao que o Sr. Júlio prega.

Quem está certo? Logo saberemos.

Contudo, Sr Júlio já foi da ditadura para o socialismo, de comunista a bolsonarista, com o mesmo sorriso no rosto de quem tem algo além do que revela. Talvez seja só picaretagem, mas talvez seja aquela tal 'sabedoria' que dizem alguns têm.

LEIA MAIS