Os Estados Unidos agora têm uma dívida igual a 2,65 bilhões de Bitcoin (BTC) - mais de 21 vezes o número de moedas que alguma vez circularão.

De acordo com dados estatísticos monitorados da dívida nacional dos EUA, a dívida bruta do país ultrapassou a marca histórica de US$ 26 trilhões pela primeira vez.

Dívida dos EUA desde março supera oferta de Bitcoin

O número quase inconcebível ocorre após vários meses de medidas inflacionárias do Federal Reserve, que viram a oferta em dólar aumentar drasticamente.

Como a Cointelegraph informou esta semana, a oferta de moeda M2 dos EUA agora é de US$ 18,115 trilhões, enquanto o balanço do Fed ultrapassou US$ 7 trilhões.

O marco da dívida não passou despercebido aos defensores do Bitcoin, com a conta do Twitter @Bitcoin observando que o número era igual a 2.653.061.224 BTC em 11 de junho.

Em apenas dois meses, a @Bitcoin adicionou, o número aumentou em 204.081.632 BTC - muito mais do que o suprimento fixo de 21 milhões de unidades do Bitcoin.

Comparação dívida EUA / PIB. Fonte: JustFacts/ Tesouro americano

OCDE: Mais dívida pública é “necessária”

O debate em torno da escassez digital continua na semana em que o Fed deve se reunir para discutir como sair do colapso do coronavírus.

O crescimento do M2 destacou a trajetória oposta do Bitcoin à moeda fiduciária em termos de oferta de dinheiro, semanas após o terceiro halving reduzir a inflação do BTC em 1,8%.

Ao mesmo tempo, um relatório condenatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) lançou grandes dúvidas sobre a chamada recuperação econômica em forma de V e argumentou que os governos deveriam se preparar para uma segunda onda de coronavírus.

"Políticas monetárias ultraconjuntivas e maior dívida pública são necessárias e serão aceitas enquanto a atividade econômica e a inflação estiverem baixas e o desemprego alto", afirmou

"No entanto, os gastos financiados por dívida devem ser bem direcionados para apoiar os mais vulneráveis e os investimentos necessários para uma transição para uma economia mais robusta".

Leia mais: