Um token em "homenagem" a Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó dos Bitcoins" preso por estelionato, começou a ser divulgado na noite de quarta-feira através de um site e de um grupo no aplicativo de mensagens instantâneas Telegram.

Na manhã de quinta-feira, a redação do Cointelegraph Brasil recebeu um email com o seguinte título: "GASBitcoin iniciou seu projeto ontem". Ao abri-lo, lia-se:

Venho por meio deste e-mail, informar que o sonho não morreu.
O projeto GASBitcoin já é uma realidade, e nosso site é o endereço: gasbitcoin.cf

Em breve anunciaremos atualizações sobre o andamento do projeto e certamente seremos em pouco tempo a mais poderosa altcoin do Brasil.

O site não apresenta muitas informações acerca do projeto. Utilizando a imagem de Glaidson Acácio dos Santos, preso pela Polícia Federal por golpe bilionário, como marca, traz uma breve apresentação em que o GASBitcoin é apresentado como um token baseado na Binance Smart Chain "criado em homenagem a uma empresa de criptoativos de nome parecido sediada no Brasil."

Na continuação do texto, os criadores do token defendem a GAS Consultoria Bitcoin, empresa através da qual Glaidson e uma rede de comparsas operava um esquema de pirâmide ficanceira sob a fachada de investimentos em criptomoedas. A organização criminosa foi desvendada e desarticulada pela "Operação Kryptos", deflagrada no final de agosto. 

Glaidson Acácio dos Santos e outros 16 acusados tornaram-se réus e serão julgados por crimes de gestão de organização financeira sem autorização, gestão fraudulenta e organização criminosa.

No entanto, de acordo com os idealizadores do GASBitcoin, a empresa e os seus operadores seriam inocentes, conforme assinala o texto de apresentação: 

Essa empresa mudou a vida de milhares de brasileiros enquanto pagava 10% mensais aos seus investidores, encerrando suas atividades após ser alvo de uma operação policial, mesmo sem nunca ter lesado nenhum de seus investidores. Naquela operação, foram bloqueados 38 bilhões das contas da empresa e 591 bitcoins. Por esse motivo, nosso token surge como alternativa aos seus ex-investidores e uma homenagem ao "Rei do Bitcoin brasileiro".

Texto de apresentação do token GASBitcoin. Fonte: gasbitcoin.cf

A reportagem do Cointelegraph Brasil entrou no grupo do Telegram dedicado à GASBitcoin no final da manhã de quarta-feira. Até aquele momento, o grupo contava com 24 integrantes e havia apenas mensagens do administrador informando que o projeto encontra-se em estágio inicial de desenvolvimento e que o website para lançamento da pré-venda do token está sendo produzido.

A frase seguinte trazia uma mensagem de boas-vindas e um pedido para que os atuais integrantes convidassem mais pessoas para participar do grupo.

Depois disso não houve mais troca de mensagens até que um integrante identificado como Crypto Job perguntou se havia uma previsão de lançamento do GASBitcoin. Em menos de dois minutos, o administrador respondeu que a pré-venda do token deve ter início já no mês que vem. E continuou:

"Aos poucos vamos alimentando o grupo com novas informações. Mas adiantamos que o projeto será sólido e pretendemos ser a mais importante altcoin do Brasil."

Às 15h28, um integrante do grupo identificado como Antonio Carlos questionou a utilização da imagem de Glaidson Acácio dos Santos na marca do projeto. Diante do silêncio dos administradores, às 16h11 ele voltou a se manifestar dizendo que a imagem do dono da GAS Consultoria estaria sendo usada de forma indevida. "Nossa equipe não autorizou nem o Glaidson para uso de imagem e da empresa".

Troca de mensagens no grupo do GASBitcoin. Fonte: Telegram

Em seguida, acrescentou: 

"Furada isso daqui pessoal.

E iremos tomar as devidas providências contra essa pessoa."

Nesse momento, a reportagem do Cointelegraph Brasil enviou uma mensagem privada a Antonio Carlos questionando se ele seria um representante legal da GAS Consultoria Bitcoin e de Glaidson Acácio dos Santos. Não houve resposta e a conta do repórter do CT Brasil foi bloqueda logo em seguida.

Às 16h51, um integrante do grupo identificado como Diego Costa comentou:

"É errado fazer isso, cara... Rs. Imagem de um ícone da história das criptomoedas."

Às 17h36, as mensagens de Antonio Carlos foram deletadas e alguns minutos depois ele foi removido do grupo pelo administrador.

Às 18h25, uma integrante identificada como Ana Régia Nascimento postou uma mensagem afirmando que o GASBitcoin era um golpe e que o projeto estava usando, sem autorização, a imagem de uma pessoa presa. Após receber um alerta do administrador de que quem continuasse postando "bobagens e desinformação" seria excluído do grupo, Ana Régia foi bloqueada e suas mensagens foram removidas em seguida.

Ao longo da tarde, algumas pessoas entraram no grupo, mas saíram logo em seguida. No momento em que este texto está sendo finalizado, o grupo conta com 71 membros. Este número cresceu bastante na última hora.

A última mensagem do administrador prometia que em breve serão divulgados o white paper e o roadmap do GASBitcoin para esclarecer "todas as dúvidas sobre a estrutura do projeto."

Conforme o Cointelegraph Brasil noticiou recentemente, clientes da GAS Consultoria estão recorrendo à Justiça para reaver os fundos aplicados junto à empresa. Enquanto isso, Glaidson Acácio dos Santos segue preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

LEIA MAIS