Uma nova teoria sobre a verdadeira identidade do criador anônimo de Bitcoin, Satoshi Nakamoto, surgiu de uma fonte extremamente improvável: um membro do tráfico da gangue de Pablo Escobar, Yasutaka Nakamoto.

A história é a seguinte: Yasutaka Nakamoto era um engenheiro de alto escalão da Pacific West Airlines que trabalhava para o traficante colombiano Pablo Escobar, contrabandeando drogas para os EUA da América do Sul. Yasutaka desapareceu completamente da vista do público em 1992, depois de sobreviver a uma tentativa de assassinato de seu ex-empregador. Ele então ressurgiu anos depois para criar e lançar o Bitcoin. Ele também é supostamente o irmão de Dorian Satoshi Nakamoto.

Pelo menos essa é a história contada à Cointelegraph por Olof Gustaffson, CEO da Escobar Inc, a holding multinacional associada ao traficante colombiano Pablo Escobar. Gustaffson é um empresário sueco de 27 anos que iniciou seu primeiro negócio aos 13 anos. Quando tinha 21 anos, havia se tornado CEO do conglomerado multinacional dos Escobar com sede em Medellín, Colômbia.

Por que essa história surgiu?

Em uma recente conversa com o Cointelegraph, Gustaffson - braço direito do irmão de Pablo, Robert - transmitiu esta versão fantástica dos eventos em um esforço, ele diz, para silenciar parte da polêmica criada pelo autoproclamado Satoshi Nakamoto, Craig S. Wright.

Olof Gustafsson, CEO da Escobar Inc. Fonte: @olof_gustafsson/Twitter

Segundo Gustafsson, a posição de Yasutaka como engenheiro chefe da Pacific West Airlines fez dele o membro perfeito para as operações de contrabando de drogas de Pablo Escobar. Onde o piloto comercial Barry Seal (interpretado por Tom Cruise no filme American Made) já havia entregado drogas para Escobar, Yasutaka poderia continuar em frente, graças em grande parte ao acesso irrestrito que lhe era oferecido na companhia aérea, diz Gustafsson.

Gustafsson continua afirmando que a experiência de Yasutaka com microprocessadores e semicondutores forneceu a ele uma base de conhecimento técnico que ele aplicaria mais tarde à primeira criptomoeda do mundo. Segundo Gustafsson, Yasutaka era um renegado - selvagem o suficiente para trabalhar para Pablo Escobar, mas teimoso o suficiente para nunca comprometer sua lealdade.

Perfil público de Yasutaka

Apenas uma menção pública a qualquer Yasutaka Nakamoto pode ser encontrada online. Gustafsson nos dirigiu a um artigo do Los Angeles Times de 1º de outubro de 1992, que conta a história de Yasutaka A. Nakamoto, funcionário da Hughes Aircraft Co., que saiu ileso após encontrar uma bomba no carro enquanto estacionava no trabalho. O artigo declara:

“O funcionário da Hughes, Yasutaka A. Nakamoto, 39 anos, pensou primeiro que seu carro havia sido assaltado porque a janela havia sido quebrada, sargento. Andy Gonis disse. Ele então encontrou o dispositivo embaixo do assento.

De acordo com a política, a polícia se recusou a fornecer mais detalhes sobre a bomba. Eles também se recusaram a especular por que um engenheiro de aeronaves se encontraria alvo de um ataque a carro.

Essa tentativa de assassinato marcou o fim de um período frutífero de colaboração entre Nakamoto e Escobar, diz Gustafsson. Também marcou a última vez que Yasutaka Nakamoto foi ouvido.

Escobar Inc. tem uma miríade de atividades, incluindo Bitcoin

A Escobar Inc. já mergulhou no mundo das criptomoedas. Em 2018, Roberto Escobar lançou o "Diet Bitcoin", um fork do blockchain do Bitcoin que acabou se mudando para a arquitetura ERC-20 da Ethereum em 2019. Mas a empresa também se destaca pela publicidade provocativa.

Em 2016, Escobar iniciou uma campanha no GoFundMe que buscava arrecadar US $ 50 milhões para acelerar o impeachment de Donald Trump. Roberto Escobar afirmou ter informações cruciais para a investigação de Robert Mueller. A página do GoFundMe foi removida pela empresa de captação de recursos devido à falta de clareza sobre como os fundos estavam sendo alocados. Ele levantou mais de US $ 10 milhões em 10 horas antes do encerramento da campanha.

No mesmo ano, Escobar ameaçou a Netflix com um processo de US$ 1 bilhão sobre o que ele alegava serem representações imprecisas de sua persona na série de sucesso Narcos. Roberto Escobar também exigiu o direito de editar as temporadas seguintes da série.

Nos anos anteriores, Roberto Escobar afirmou que Satoshi o procurou pessoalmente para obter ajuda na construção do Bitcoin. Outras vezes, Escobar afirmou que Satoshi era realmente uma cifra para a CIA e o governo dos EUA.

A disputa pela marca do Bitcoin

Em 2019, este repórter revelou que Gustafsson e Escobar eram os ex-proprietários da marca Bitcoin, registrada no Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos.

O autoproclamado Satoshi Nakamoto Craig Wright ganhou as manchetes em 2019 quando apostou sua própria reivindicação no USPTO pelos direitos de nome sobre o Bitcoin. Depois de não responder à reivindicação de Wright no período de seis meses, a empresa britânica de Gustafsson, Coin Legal Ltd., perdeu o controle da marca registrada Bitcoin.

Agora, o jogo parece ter virado para o outro lado. Os últimos arquivamentos no site USPTO mostram que os direitos de nomenclatura do Bitcoin estão de volta ao controle da Coin Legal Ltd. As últimas alterações no arquivamento foram feitas recentemente em 14 de abril de 2020, e um processo de revisão está em andamento neste exato momento.

Como todas as teorias sobre a identidade de Satoshi que surgiram nos últimos anos, a história de Yasutaka Nakamoto permanece fraca em evidências e credibilidade. A única pessoa que poderia contestar ou corroborar essa história de criação do Bitcoin seria Dorian Satoshi Nakamoto, que Gustafsson afirma ser o irmão de Yasutaka.

A volta de Dorian Nakamoto

Dorian Nakamoto foi alvo de um breve mas intenso período de especulação em 2014, depois que um repórter da Newsweek publicou alegações de que ele era o "rosto por trás do Bitcoin". Antes de finalmente negar qualquer envolvimento com o Bitcoin, Dorian disse inicialmente a repórteres que "não estava mais envolvido nisso" e que não podia discutir o assunto.

Gustafsson aponta para esta entrada do White Pages para um Dorian S. Nakamoto, que se alinha à idade e à área de residência de Dorian. A mesma entrada lista seis parentes, um deles Yasutaka A. Nakamoto. De acordo com Gustafsson, este é o Nakamoto que todos estão procurando. Ele disse:

“Acreditamos que o nome do meio dele é Akiko, e que mais tarde ele se chama Akiko. Um homem chamado Akiko foi registrado no endereço de Dorian na Califórnia.

Isso é possivelmente corroborado por uma pesquisa na lista telefônica dos EUA que lista quatro dos mesmos parentes de Dorian para um Akiko Nakamoto. A lista telefônica de Yasutaka A. Nakamoto também mostra que ele morava no mesmo endereço que Dorian.

Mas essas informações não são provas conclusivas e podem potencialmente ser manipuladas por terceiros não relacionados.

Mais crédito póstumo pela criação do Bitcoin?

Gustafsson sustenta que Dorian sabia tudo sobre o envolvimento de Yasutaka com o Bitcoin e que o próprio Dorian havia viajado para a Colômbia para negociar com Roberto Escobar em 2014, após o desaparecimento de Yasutaka após a explosão de um carro-bomba.

Esta versão de Satoshi, se verdadeira, agora só pode receber créditos póstumos por sua invenção. Gustafsson afirma que criar Bitcoin foi um dos atos finais de Yasutaka antes de falecer no início de 2010. Enquanto isso, após anos de assédio após o desacreditado artigo da Newsweek, Dorian Nakamoto instou os Bitcoiners e os entusiastas de criptomoedas a deixá-lo em paz. Embora a prática jornalística padrão dite entrar em contato com Dorian Nakamoto nesse caso, o Cointelegraph visa respeitar os desejos de Dorian e não entrou em contato com ele.

Quando perguntado por que ele havia divulgado essa informação agora, Gustafsson disse: "Roberto acredita que é importante esclarecer as coisas".

LEIA MAIS