Um relatório do CryptoCompare publicado em 6 de julho analisou atentamente as tendências mensais no mercado de criptomoedas e descobriu que os volumes de derivativos começaram a diminuir após o pico de maio. O volume de derivativos de criptomoedas caiu 35,7% em junho, para US$ 393 bilhões.

Volumes mensais históricos de derivativos. Fonte: CryptoCompare

A tendência geral que também foi observada nos mercados spot pode ser parcialmente explicada pela falta de volatilidade atualmente vista no Bitcoin e pela maioria dos criptoativos no mercado. Existem algumas exceções, como os tokens DeFi, que superaram o Bitcoin (BTC) consideravelmente no último mês.

Apesar da queda no volume geral dos mercados de derivativos, as opções regulamentadas parecem estar ganhando popularidade. Em junho, o volume total das opções de Bitcoin na Chicago Mercantile Exchange (CME) aumentou 41% para atingir outra alta mensal de todos os tempos, com 8.444 contratos negociados. Enquanto isso, os futuros de BTC negociados na CME diminuíram 23% em junho, que ainda era o segundo maior mês em 2020

Volumes de Contrato de Opções e Futuros da CME. Fonte: CryptoCompare

Outros sinais de institucionalização

Embora os volumes crescentes na CME sejam um sinal agradável para aqueles que aguardam pacientemente a institucionalização como o catalisador que trará o Bitcoin e outras criptomoedas a novos patamares, há outros fatores que apontam para essa mudança.

Essas tendências já são observadas em fundos como o GBTC, que possuem um grupo institucional de investidores de mais de 80% e atualmente gerencia US$ 4,1 bilhões em ativos digitais. Barry Silbert, CEO do Digital Currency Group do GBTC, twittou que o fundo passou recentemente por seu maior aumento, embora ainda não sejam conhecidos detalhes.

As empresas que atendem às necessidades institucionais também estão pulando na onda da criptomoeda, consolidando ainda mais essa tendência. Por exemplo, a KPMG, uma das quatro maiores empresas de contabilidade e auditoria do Reino Unido, lançou uma plataforma de gerenciamento de criptomoedas chamada Chain Fusion. Em um relatório recente da empresa, a KPMG disse:

"Institucionalização é a participação em escala no mercado de pequenas e grandes entidades dentro do ecossistema financeiro global, incluindo bancos, corretoras, exchanges, provedores de pagamento, fintechs e prestadores de serviços".

Como as instituições podem mudar a criptomoeda

À medida que as instituições continuam entrando no Bitcoin, é possível que essa tendência continue, o que por sua vez pode trazer muitas vantagens para o mercado em geral.

Os investidores institucionais exigem plataformas de negociação seguras e transparentes, enquanto várias exchanges de criptomoedas são conhecidas por volumes de negociação falsificados, negociação de lavagem e coisas piores.

Philip Gradwell, economista-chefe da Chainalysis, disse recentemente:

“Se você deseja que muito dinheiro entre no mercado de criptomoeda, precisa aumentar a confiança deles de que, na verdade, existem boas plataformas de negociação [...] Se você é uma exchange e tem bons incentivos para relatar volume real, você pode realmente ver o dinheiro institucional entrando, mas se você não tiver esses incentivos, eles ficarão longe.”

A mudança do varejo para os investidores institucionais, ou pelo menos o aumento substancial do envolvimento desses últimos, pode ser um sinal claro para as exchanges de que elas devem se comportar de acordo ou ser eliminadas.

Essas melhorias podem abrir as portas para a criação do tão esperado ETF (Bitcoin Exchange Traded Fund) e outros instrumentos que atrairão investidores institucionais para o setor de criptomoedas.

Leia mais: