Um novo relatório do Banco de Compensações Internacionais (BIS) mostra que 2020 é o ano em que o ímpeto por trás das moedas digitais do banco central (CBDCs) realmente decolou.

Publicado em 24 de agosto, o novo documento de trabalho do BIS analisa o estado global do trabalho de pesquisa e desenvolvimento das CBDCs, abordagens técnicas e posições políticas. A pesquisa abrangente baseia-se em mais de 16.000 discursos dos bancos centrais dos últimos anos e avalia os projetos e motivações existentes da CBDC por trás da adoção do novo modelo por vários países.

“As atitudes sobre se os bancos centrais devem emiti-las [CBDCs] mudaram visivelmente no ano passado”, escrevem os autores do artigo. Sua pesquisa inclui uma análise surpreendente do interesse público em CBDCs ao longo do tempo. Os dados do BIS mostram que, em 2020, as pesquisas mundiais na internet por CBDCs superaram decisivamente as pesquisas por Bitcoin (BTC) e pelo Libra do Facebook.

Os dados justificam a afirmação do relatório de que, embora o conceito de CBDCs tenha sido proposto décadas atrás, "CBDCs conquistaram a atenção global" em 2020.

O BIS fornece várias hipóteses de por que isso acontece. Em primeiro lugar, aponta para o anúncio do Libra do Facebook e a resposta subsequente do setor público em 2019 como um “ponto de inflexão” inconfundível.

Outros dados confirmam isso: no final de 2019, "os bancos centrais que representam um quinto da população mundial relataram que provavelmente emitirão CBDCs muito em breve." Além disso, a parcela de bancos centrais com probabilidade de emitir uma CBDC de varejo no médio prazo (1-6 anos) dobrou em 2019.

Um fator crucial para acelerar essa tendência, na análise do BIS, é devido à pandemia de coronavírus:

“As medidas de distanciamento social, as preocupações do público de que o dinheiro possa transmitir o vírus COVID-19 e os novos esquemas de pagamento do governo para cidadãos aceleraram ainda mais a mudança em direção aos pagamentos digitais.”

O BIS chama a atenção para os Estados Unidos, onde as primeiras versões de projetos de lei do Congresso sobre estímulo fiscal referiam-se ao potencial de um dólar digital para acelerar o desembolso de ajuda governamental aos cidadãos. Na Holanda, China e Suécia, os bancos centrais estão mantendo seu trabalho de pesquisa da CBDC como alta prioridade durante a pandemia.

Todos esses fatores poderiam ser suficientes, na visão do BIS, para superar a "grande inércia" típica dos comportamentos de pagamento no varejo. O outro lado, no entanto, é o impacto duradouro:

“Quando os comportamentos mudam, eles geralmente o fazem de maneira bastante persistente. Da mesma forma, os comportamentos de pagamento alterados causados pela crise do COVID-19, como um maior uso de pagamentos digitais, podem ter efeitos de longo alcance no futuro.”

Leia mais: