Um argumento comum para a vantagem do Bitcoin sobre o Ether é seu suprimento máximo previsível e limitado de 21 milhões. Embora não se espere que o EIP-1559 torne o Ether deflacionário no curto prazo, essa atualização permitirá que seja iniciada uma redução de sua emissão líquida, uma vez que o ETH começará a ser queimado com a introdução da taxa básica. Isso reestrutura fundamentalmente a política monetária do Ether e levanta várias questões sobre o prêmio do Bitcoin sobre o Ethereum. 

Número de transações

O número de transações que ocorrem em uma blockchain fornece uma ideia do utilitário que está sendo criado a partir do seu uso. Uma vez que custa aos usuários executar uma transação em blockchain, eles provavelmente estão obtendo valor delas. Rastreando a atividade na rede ao longo do tempo, vemos que as transações do Ethereum superaram as do Bitcoin desde o verão de 2017.

Fonte: IntotheBlock

Embora os ICOs não sejam mais o caso de uso principal para a rede Ethereum como eram em 2017, centenas de outros casos surgiram a reboque das finanças descentralizadas (DeFi), jogos e arte digital (NFT). A criação de aplicações descentralizadas têm levado a um aumento constante das transações de ETH desde 2020, com o número médio de transações em 7 dias crescendo 120% nesse período. As transações em rede para Bitcoin, por outro lado, caíram 20% desde janeiro de 2020.

Essa tendência aponta para um aumento da atividade no Ethereum, mas está relativamente estagnada no que diz respeito ao Bitcoin. Em última análise, isso sugere uma quantidade maior e crescente de utilidade sendo gerada pelo Ethereum.

Conforme veremos mais adiante, o Ethereum, sendo uma plataforma de contrato inteligente, é atualmente mais valorizado em relação à sua atividade de transação do que o Bitcoin.

Sobre as taxas geradas

Embora as transações deem uma ideia da utilidade de uma rede, as taxas que ela gera fornecem uma medida melhor sobre a sua demanda. Dado ao uso limitado das redes do Bitcoin e do Ethereum, em seus respectivos mercados e utilidades, as taxas podem chegar a valores relativamente altos para os usuários finais. Embora isso possa custar caro para alguns usuários, o valor total pago em taxas nos permite quantificar a disposição agregada de pagar pelo uso de blockchains. Neste caso, o aEthereum ultrapassou recentemente o Bitcoin e se manteve acima dele durante a maior parte de 2021. Muito disso por causa das transações baseadas em protocolos DeFi.

Fonte: IntotheBlock

A primeira vez que as taxas do Ethereum se tornaram maiores do que as do Bitcoin por um período prolongado foi durante o verão DeFi. À medida que casos de uso financeiro e oportunidades de rendimento floresciam na rede Ethereum, a demanda para transações em seu blockchain atingiu mais de US$ 10 milhões por dia pela primeira vez.

Embora não se espere que o EIP-1559 diminua as taxas, ele alinha melhor os usuários Ethereum e os titulares de Ether. Este é o caso, pois o aumento do uso da rede resultará em uma maior quantidade de ETH sendo queimada, beneficiando diretamente os detentores da atividade da rede. Além disso, ao introduzir ajustes de tamanho de bloco, espera-se que o EIP-1559 resulte em taxas mais suaves e previsíveis para os usuários finais. As taxas da rede Ethereum têm sido o maior impeditivo para popularização das finanças descentralizadas.

Com a taxa básica sendo queimada, a maior demanda de Ethereum pode resultar em uma oferta menor. Isso, por sua vez, desestimula o gasto de ETH no curto prazo, permitindo que as taxas esfriem e a oferta aumente até o equilíbrio. Ao fazer isso, o EIP-1559 estabelece uma política monetária dinâmica. Embora isso possa não ser tão previsível quanto a programação de suprimento fixa do Bitcoin, essa mudança na emissão permite que os titulares de Ether se beneficiem mais claramente da demanda pelas taxas que ele gera.

Número de titulares

Outra peça-chave para avaliar são os efeitos de rede criados por Bitcoin e Ethereum. Sendo protocolos nativos digitalmente, o Bitcoin e Ethereum constituem redes que conectam usuários globalmente de uma forma descentralizada e sem permissão.

A Lei de Metcalfe estabelece que o valor de uma rede é proporcional ao quadrado do número de usuários. Na criptoeconomia, onde não há um número concreto para usuários, o número de endereços com saldo atua como proxy. Mesmo que os usuários possam ter vários endereços, muitas vezes um endereço gerenciado por uma entidade central (como exchanges) gerencia fundos para vários usuários.

Conforme o número de detentores de Bitcoin e Ethereum aumentam, suas redes se tornam mais valiosas à medida que existem mais maneiras possíveis para seus usuários realizarem transações ou se conectarem uns com os outros. Nesse sentido, o Ethereum também conseguiu superar o Bitcoin. Visto que a rede Ethereum é mais flexível e suporta toda uma sorte de empreendimentos que são impossíveis de serem implementados na rede nativa do Bitcoin.

fonte: IntotheBlock

Apesar da sua vantagem de ter sido o primeiro, o Bitcoin ficou para atrás do Ethereum em termos de crescimento em número de endereços com saldo. Atualmente, existem aproximadamente 20 milhões de detentores de Ether do que detentores de Bitcoin. Há também nisso, o fator preço, pois é inegavelmente mais barato investir em Ether que em Bitcoin e a expectativa do Ether valorizar-se ao nível do Bitcoin, ainda é uma constante para quem acompanha seu desenvolvimento. Por exemplo, Steve Wozniak, cofundador da Apple, investir em Ethereum hoje é o mesmo que comprar ações da Apple há 30 anos.

Este é provavelmente o caso, pois Ethereum oferece suporte a casos de uso mais amplo do que o Bitcoin e por isso seu potencial de valorização e sua expectativa é tão grande. Haja visto o Ecossistemas em torno dos NFTs e DeFi atraíram vários usuários para o Ethereum e amplificaram seus efeitos de rede. Dito isso, porém, o Bitcoin continua a liderar sobre o Ethereum em sua funcionalidade principal, servir como dinheiro/reserva de valor.

Volume de transação

 Desde o início do Bitcoin, as transações ponto a ponto (P2P) estão em seu centro. O tamanho da atividade financeira que ocorre no topo dos blockchains talvez seja mais bem demonstrado pelo volume de transações que eles processam. Neste indicador, o Bitcoin continua a ultrapassar o Ethereum, pelo menos quando se considera apenas seus ativos nativos.

fonte: IntotheBlock

O Bitcoin ainda gerencia regularmente a maior parte do volume de negociações tanto dentro quanto fora da rede. Embora o volume de transações para o par BTC e ETH tenha convergido recentemente, o Bitcoin ainda está processando de US$ 2 a US$ 4 bilhões a mais por dia.

Essa liquidez adicional - junto com seu cronograma de fornecimento previsível - provavelmente está desempenhando um papel na maior valorização do Bitcoin e no prêmio monetário.

Capitalização de mercado e prêmio monetário

Seríamos negligentes em não discutir a capitalização de mercado ao analisar o flippening. Apesar da maioria dos indicadores principais apontarem para uma maior utilidade e efeitos de rede criados pelo Ethereum, o Bitcoin continua a ser o rei em termos de avaliação. O termo "flippening" refere-se ao momento hipotético onde o  Ethereum ultrapassará o Bitcoin como a maior criptomoeda da criptoeconomia.

fonte: IntotheBlock

Com efeito, o Ethereum, no entanto, alcançou significativamente o Bitcoin. Desde 2020, a capitalização de mercado do Ethereum cresceu 1.600%, enquanto a capitalização de mercado do Bitcoin aumentou 400%. Em termos de capitalização de mercado relativa, o Ethereum tem atualmente cerca de um terço do tamanho do Bitcoin. É algo que os investidores do Ether precisam considerar em suas estratégias de longo prazo.

fonte: IntotheBlock

Embora o Ethereum tenha se tornado, de muitas maneiras, mais usado do que o Bitcoin, ele representa uma porcentagem menor de sua capitalização de mercado do que em 2017. Como mencionado anteriormente, a inflação decrescente fixa do Bitcoin é indiscutivelmente um fator importante que leva a sua valorização mais alta. aEste é o caso, uma vez que o suprimento previsível do Bitcoin define a base para ele ser uma reserva de valor. Enquanto o Ether se assemelha a um bem de consumo, ou mesmo uma commodity.

Além disso, o fato do Bitcoin estar no mercado há mais tempo tem um efeito maior, dando maior confiança aos investidores de que continuará a existir com o passar do tempo. Essas duas características criam um prêmio monetário para o Bitcoin, onde indicadores como o número de transações são evidentemente menos relevantes ao avaliá-lo do que no caso de Ethereum, onde a utilidade da rede desempenha um papel maior.

À luz da implementação do EIP-1559, entretanto, vale a pena perguntar - o Ethereum desenvolverá um prêmio monetário semelhante quando o fornecimento de ETH começar a ser queimado? E isso seria uma ameaça para o prêmio monetário existente do Bitcoin?

Embora a resposta a essas perguntas seja respondida com o tempo, é provável que o EIP-1559 desempenhe um papel fundamental na maneira como o relacionamento entre o Bitcoin e o Ethereum avance. Sendo o primeiro passo para diminuir a inflação do Ether, é possível acreditar que cada vez mais investidores começarão a enxergar seu potencial como reserva de valor. Em última análise, isso influenciaria a forma como o Ethereum é valorizado e aumentaria as chances de flippening.

LEIA MAIS