O Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central do Brasil, já está sendo usado por mais de 44 milhões de brasileiros, segundo declarações do Presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Segundo Campos Neto, além das pessoas físicas há mais de 3 milhões de empresas usando o Pix.

Desta forma, estes usuários representam mais de 106 milhões de chaves cadastradas no sistema, cada empresa pode ter até 20 chaves diferentes e cada pessoa física, 5.

Além disso, Campos Neto destacou que o Pix superou as expectativas e o número de transações diárias está em um patamar que o BC esperava atingir somente depois de 12 meses.

“O número de operações diárias hoje, eu, honestamente, que era mais otimista, achava que ia levar alguns meses. Talvez mais de um ano. Mas a gente atingiu em algumas semanas”, declarou Campos Neto, ao receber premiação em cerimônia virtual do Prêmio Destaque 2020 do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef).

Em quase um mês de funcionamento pleno, o Pix, novo sistema de pagamentos do Banco Central (BC), atingiu a marca de 106 milhões de chaves cadastradas. A informação é do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que participou hoje (10) de evento virtual.

Segundo Campos Neto, o Pix continua atraindo o interesse da população, com cerca de 1 milhão de chaves cadastradas diariamente.

“Isso mostra que as pessoas ainda estão engajadas”, comentou.

Pix

A taxa de rejeição de transferências e pagamentos por meio do Pix tem ficado entre 6,5% e 6,7%, depois de atingir 9% no primeiro dia de funcionamento pleno do novo sistema.

Campos Neto destacou que essa taxa de rejeição ficou próxima das transferências feitas por DOC, que é de 5%.

Ele explicou que a rejeição ocorre quando há inserção de dados incorretos como o número do CPF, e citou também que várias tentativas de achar uma chave fazem o sistema cair, como uma medida de segurança.

“Entendemos que é um processo que vai avançar bastante. Isso tende a melhorar à medida que as pessoas cadastrem mais chaves, os negócios usem mais chaves”, disse.

O presidente do BC reforçou que o sistema de liquidação do Pix não apresenta instabilidades e tem capacidade para mais operações de transferências e pagamentos do que as que estão sendo feitas.

LEIA MAIS