Tendo passado recentemente pelo terceiro halving, um dos eventos mais importantes do ecossistema, o Bitcoin (BTC) continua a se estabelecer como uma nova classe de ativos e um candidato digno ao ouro como uma nova reserva de valor para a era digital. Tendo visto uma queda no preço dos níveis de US$ 10.000 para US$ 8.500 apenas alguns dias antes do evento, o preço do Bitcoin permaneceu abaixo de US$ 10.000 mesmo após o halving.

Vendo sua produção cortada pela metade em questão de segundos, a escassez de Bitcoin e a baixa taxa de stock-to-flow o tornam um investimento atraente para aqueles que procuram se proteger da inflação associada às moedas fiduciárias e à instabilidade política. As instituições parecem não ser diferentes, pois os volumes regulamentados de derivativos de Bitcoin começaram a registrar números crescentes.

O volume da Chicago Mercantile Exchange (CME) para opções de Bitcoin atingiu um recorde histórico em 11 de maio, com mais de US$ 15 milhões, e desde então vem crescendo, chegando a US$ 40 milhões em 13 de maio, segundo dados do Skew. O mercado futuro de BTC também registrou altos volumes, atingindo uma alta de três meses em 11 de maio e registrando pouco mais de US$ 900 milhões em contratos no dia.

Interesse institucional que antecedeu o halving

De acordo com dados do CryptoCompare, os produtos de BTC da CME tiveram queda de interesse desde que o preço do Bitcoin caiu em 12 e 13 de março, diminuindo mais 11,1%, para US$ 4,5 bilhões em abril. O recente aumento de volume pode sinalizar uma mudança na tendência dos produtos da CME. Os dados de derivativos da CME são apenas uma das muitas métricas através das quais o interesse institucional por Bitcoin e ativos digitais pode ser observado, e tudo parece apontar para um interesse crescente dos participantes institucionais.

Em 8 de maio, apenas alguns dias antes do halving, a 3iQ Corp anunciou a conclusão de uma oferta de US$ 48 milhões do seu Bitcoin Fund, que recentemente começou a ser negociado na Toronto Stock Exchange, ou TSX, contando com serviços de custódia da Gemini e serviços de indexação da VanEck MVIS e CryptoCompare. O Bitcoin Fund é o primeiro fundo público de Bitcoin listado em uma importante bolsa de valores global, conforme observado por Tyler Winklevoss.

Outro dado que aponta para um crescente interesse institucional é o recente relatório do primeiro trimestre da Grayscale. O maior gerenciador de ativos de moeda digital do mundo registrou números recordes em termos de entrada de capital em seu produto GBTC, que atualmente detém 1,7% do total de BTC em circulação. Os fundos da Grayscale arrecadaram mais de US$ 500 milhões no primeiro trimestre, a maioria dos quais vem de players institucionais. Rayhaneh Sharif-Askary, chefe de relações com investidores da Grayscale, disse recentemente ao Cointelegraph: "Nossas conversas recentes com investidores reforçam a idéia de que agora, mais do que nunca, os investidores estarão procurando maneiras de criar portfólios resilientes".

Em abril, a Fidelity Digital Assets, a divisão de serviços de criptomoeda da Fidelity Investments, confirmou que havia visto um interesse crescente em ativos digitais. À medida que o Bitcoin continua a se estabelecer como um ativo de reserva de valor, a narrativa do "ouro digital" parece ressoar com mais clientes, observou a Fidelity Digital Assets. Um aumento do interesse de fundos de pensão e escritórios familiares também foi observado.

Investidores institucionais

Essa classificação de “ouro digital” está se tornando cada vez mais importante para o Bitcoin, pois continua gravando sua identidade entre outros ativos. O que antes parecia uma tentativa rebelde de derrubar moedas fiduciárias e bancos centrais está possivelmente se transformando em uma classe de ativos de investimento com nível de liderança.

Na semana passada, o veterano gerente de fundos de hedge, Paul Tudor Jones, mostrou sua apreciação pelo Bitcoin, afirmando que ele lembra o ouro na década de 1970 e que o ativo digital pode ser o melhor hedge contra o aumento da inflação causado pela pandemia de coronavírus. O conhecido gerente estima que cerca de 1% a 2% de seus ativos sejam mantidos no Bitcoin.

Endossos de figuras respeitadas como Paul Tudor Jones também podem ter um grande impacto na rapidez com que outras instituições saltam a bordo do Bitcoin ou de ativos digitais. Matt D´Souza, CEO da Blockware Mining e gerente de fundos de hedge, disse ao Cointelegraph a importância do recente aceno:

“Paul Tudor Jones é o primeiro dominó a cair. A maioria dos administradores tradicionais de finanças e fundos são seguidores. Eles seguirão Paul Tudor Jones. A maioria dos gerentes não quer ser o primeiro, mas agora eles precisam considerar fortemente o Bitcoin para garantir sua competitividade.”

O CEO da BitMEX, Arthur Hayes, também observou a importância do endosso de uma figura como Paul Tudor Jones, afirmando que ele espera que muitos "gestores de fundos beta comecem a fazer o mesmo." Karen Finerman, cofundadora e CEO da Metropolitan Capital Advisors e membro do painel CNBC Fast Money, também acredita que este é um desenvolvimento positivo:

“Ninguém quer ser excluído por possuir o Bitcoin se ele desmoronar completamente. Mas se você pode dizer que Jones é o dono também, talvez isso lhe dê um pouco de cobertura."

Mais do que apenas hype?

Embora esteja ficando claro que a demanda institucional por Bitcoin está começando a crescer, investir em um ativo tão novo pode ser complicado para essas empresas. Com novas opções regulamentadas, como o fundo fechado de Bitcoin negociado pela TSX, esse interesse está sendo atendido, o que permite que os investidores institucionais comecem a mergulhar no mercado de Bitcoin.

Por exemplo, o Medallion Fund da Renaissance Technologies - um fundo de hedge com US$ 10 bilhões em ativos sob gestão - recebeu recentemente a aprovação da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos para oferecer produtos e serviços futuros de Bitcoin regulamentados a seus clientes.

A atratividade recém-descoberta do Bitcoin aos olhos dos investidores institucionais vai muito além do hype que motiva os investidores de varejo. Um estudo recente da Bitwise mostra que ter uma pequena porcentagem de participações no Bitcoin em um portfólio institucional pode ser extremamente rentável.

O relatório mostra que, mesmo se comprada no seu ponto mais alto, uma alocação de Bitcoin feita em 2014 teria contribuído positivamente para os retornos de uma carteira (assumindo um reequilíbrio trimestral) devido ao perfil de retorno exclusivo do Bitcoin, que combina volatilidade significativa e falta de correlação com outros ativos.

Um estudo semelhante foi publicado pelo fundo de hedge de ativos digitais Ecstatus Capital, com sede no Reino Unido, em abril deste ano. O documento analisou o impacto da adição de diferentes alocações de Bitcoin aos portfólios tradicionais durante o período de cinco anos, de janeiro de 2015 a janeiro de 2020. O estudo da Ecstatus mostrou os potenciais benefícios da diversificação que podem ser encontrados com alguma exposição ao Bitcoin usando reequilíbrio mensal, em vez de trimestral.

Ambos os estudos destacam a importância do reequilíbrio do portfólio ao possuir o Bitcoin como parte de um portfólio mais amplo formado por uma coleção de outros ativos, pois o reequilíbrio obriga efetivamente os investidores a comprar na baixa e vender na alta. De acordo com uma estratégia planejada, o reequilíbrio de um portfólio é redefinido para seus pesos-alvo quando o investidor vende uma parte dos ativos que tiveram bom desempenho ao longo do período e compra mais ativos com pior desempenho. O efeito a longo prazo do reequilíbrio talvez seja melhor resumido em uma frase cunhada por John Nersesian, chefe da Pimco Asset Management: "O reequilíbrio não funciona todas as vezes, funciona com o tempo".

Prepare-se para o boom institucional

Embora predizer o próximo passo do Bitcoin seja quase impossível, o caminho a seguir parece brilhante para o Bitcoin à medida que as instituições começam a segui-lo lentamente. Embora o interesse institucional esteja presente há algum tempo, agora está começando a se materializar e pode até ser acelerado pelo endosso de Paul Tudor Jones.

À medida que as instituições continuam a olhar para o Bitcoin, 2020 pode finalmente ser o ano em que um fundo negociado em bolsa de Bitcoin chegará ao mercado, um fator que certamente influenciará a percepção e o interesse das instituições pelo Bitcoin.

Leia mais: