Por mais que a volatilidade seja uma marca registrada das criptomoedas, o setor continua atraindo muitos adeptos com perfis que majoritariamente investem no mercado tradicional. 

Para Felippe Percigo, investidor profissional e professor de MBA em Finanças Digitais e Blockchain na FAE Centro Universitário de Curitiba, o perfil dos investidores em criptomoedas tem mudado ao passo que o mercado amadurece e ganha credibilidade.

"O fato de grandes empresas passarem a investir nesta classe, assim como a criação de grandes fundos, tem, de certa forma, validado o mercado e estimulado o público mais experiente", explica. 

Essa é uma realidade bem diferente do início dos negócios no setor cripto. Só pra se ter uma ideia, Gustavo Chamati, fundador da corretora Mercado Bitcoin, disse em entrevista ao portal UOL que quando começou seu negócio, percebeu que as pessoas queriam comprar Bitcoin para ficarem ricas do dia para a noite e que foi preciso investir em orientação para os clientes.

Era uma época em que a maior parte dos investidores era mais jovem, querendo conhecer algo novo, sem medo de testar.

Hoje, com o setor mais maduro e uma maior adoção de Bitcoin (BTC) e outros critpoativos pelo mercado, empresas e países, a procura por informações por parte de pessoas mais experientes, antes mesmo de investir, tem aumentado, segundo Felippe Percigo.

Percigo, que tem uma comunidade de aprendizado no assunto, destaca que nos últimos 18 meses a procura por conhecimento por parte de pessoas entre 35 e 55 anos aumentou 200%.

O especialista ressalta que é natural que os investidores atuais tenham idades mais avançadas do que a média de alguns anos atrás, uma vez que o público jovem, muitas vezes, não dispõe de recursos financeiros para aplicar em fundos de investimento.

Ao comparar com os Estados Unidos, país que tem um perfil de investidor em criptomoedas entre 18 e 25 anos, Percigo associa a uma questão cultural. "Os americanos aprendem desde cedo que investir pode ser uma alternativa viável para a vida adulta. Já aqui no Brasil, esse processo, quando acontece, é mais tardio", destaca.

O Cointelegraph publicou recentemente que o número de investidores que possuem Bitcoin nos EUA triplicou desde 2018, segundo Pesquisa Gallup.

Apesar disso, o mercado tradicional continua sendo a principal porta de entrada para os investidores de criptos, segundo Percigo. Entre o público que procura o professor para entender o funcionamento do setor, 58,5% já havia investido em aplicações tradicionais em algum momento. 

A presença majoritariamente masculina continua sendo uma realidade. Entretanto, na comunidade de Percigo, a presença de mulheres aumentou 500% nos últimos 18 meses.

 

Para o professor, os motivos que mais estimulam as pessoas a buscar o mercado de cripto como alternativa de investimento é a diversificação do portfólio de aplicações, estabilidade financeira e maior rentabilidade do valor investido.

Leia também: