Em um relatório recém-lançado intitulado Bitcoin Investment Thesis: Bitcoin’s Role As An Alternative Investment (em português, "Tese do Investimento Bitcoin: O Papel do Bitcoin como um Investimento Alternativo"), a Fidelity Digital Assets demonstrou como os gerentes de portfólio poderiam aumentar seus retornos alocando uma parte de suas participações em Bitcoin (BTC). O relatório também especulou que, em um futuro próximo, o aumento do interesse institucional poderia expandir a capitalização de mercado do Bitcoin em centenas de bilhões de dólares.

Fonte: Fidelity Digital Assets.

Para apoiar sua tese, a Fidelity simulou carteiras de amostra começando com uma alocação default de 60/40 entre ações e instrumentos de renda fixa. Eles então os diversificaram com Bitcoin a uma taxa de 1 a 3 por cento. Em todos os cenários considerados pela Fidelity, as carteiras com maiores alocações de Bitcoin tiveram desempenho melhor do que suas contrapartes menos diversificadas.

Os ativos que estão negativamente correlacionados ou exibem baixas correlações com o resto do mercado fornecem benefícios adicionais aos gerentes de portfólio. Eles permitem uma redução na volatilidade sem sacrificar os retornos. Carteiras simuladas que continuaram a conter Bitcoin se beneficiaram da baixa correlação do ativo com os ativos tradicionais. O relatório reconheceu, no entanto, que a crescente adoção do Bitcoin pelo setor financeiro pode levar a uma maior correlação no futuro, reduzindo assim os benefícios da diversificação.

O relatório da Fidelity estimou ainda a redistribuição potencial de investimentos de investimentos alternativos e renda fixa para o Bitcoin. O mercado do primeiro é avaliado em US$ 13,4 trilhões, portanto, se o Bitcoin capturasse 5% deste mercado, sua capitalização de mercado aumentaria em US$ 670 bilhões. Se fosse para capturar 10%, a capitalização de mercado aumentaria em US$ 1,3 trilhão. O mercado de títulos vale aproximadamente US$ 50,3 trilhões. Se o Bitcoin conquistasse 1% desse mercado, isso se traduziria em outros US$ 500 bilhões.

Os rendimentos cada vez menores dos títulos, argumenta o relatório, podem levar os administradores de ativos ainda mais em direção a ativos alternativos. Se as previsões mais otimistas se concretizassem, a capitalização do Bitcoin poderia aumentar para US$ 2 trilhões.

LEIA MAIS: