A grande notícia desta quinta-feira, com o anúncio de que o S&P Dow Jones - uma iniciativa conjunta entre S&P, CME Group e News Corp - deve lançar índices de preços de criptomoedas em 2021, também chamou atenção do mercado brasileiro.

Como noticiou o Cointelegraph Brasil, 550 criptomoedas devem aparecer nos novos índices do S&P no ano que vem, entre elas a maior, o Bitcoin, e muito provavelmente as principais altcoins como Ether, XRP, Bitcoin Cash e Litecoin.

O S&P Dow Jones formará uma parceria com a fornecedora de dados de blockchain Lukka para estabelecer os índices de cada criptomoeda.

No mercado cripto, a oscilação de preços entre exchanges - que também é uma oportunidade de arbitragem - já foi apontada como um dos pontos fracos do mercado, que não tem um índice consolidado para basear os preços das criptomoedas.

Apesar disso, muitas empresas de blockchain apostam em oráculos e agregadores de preços de blockchain para basear seus preços de compra e venda.

O CEO da exchange brasileira Foxbit, João Canhada, acredita que a entrada do Bitcoin em Wall Street pela porta da frente é uma prova da credibilidade e profissionalização do mercado:

"Isso mostra um grande avanço rumo a profissionalização do setor, apesar de já ter mais de 1000 exchanges em diversas localidades, o mercado tradicional precisa de fontes mais tradicionais e confiáveis dentro do setor financeiro para se expor a ativos digitais como o Bitcoin dado a alta regulamentação. Um índice como esse vai refletir em uma formação de preço mais justa ao ativos digitais e ajudar a diminuir sua volatilidade no longo prazo e permitindo que diversas instituições tradicionais participem do setor, isso adiciona uma liquidez enorme e potencializa o Bitcoin no longo prazo."

Para Bernardo Schucman, CEO da empresa brasileira de mineração como serviço (MaaS) e blockchain FastBlock, o mercado financeiro agora passa a ter índice confiável para os preços de criptomoedas, o que deve estimular ainda mais a adoção do mainstream:

“O índice é visto com muito bons olhos, pois o preço dos Bitcoins é muito variável de exchange para exchange e ter um índice arbitrado por uma instituição do nível S&P Dow Jones, traz uma credibilidade e segurança maior para o ativo digital e para futuros investidores”

Em agosto deste ano, a FastBlock foi adquirida pela empresa Marathon Patente Group, listada em outra bolsa de valores, a Nasdaq, por US$ 30 milhões.

As grandes corporações financeiras têm abraçado a criptoesfera e a indústria blockchain, seja para investimentos institucionais ou para o desenvolvimento de produtos financeiros descentralizados.

O anúncio da Lukka e do S&P Dow Jones, porém, não especifica quais as 550 moedas disponíveis no índice de 2021 nem quais metodologias serão consideradas na escolha das moedas que devem compor a lista.

LEIA MAIS