A rede Bitgrin (XBG) parece ter emitido bilhões de tokens, apesar de um limite máximo declarado de fornecimento de 21 milhões de XBG.

Em 4 de junho, o importante site de informações sobre criptomoedas CoinMarketCap alertou seus seguidores sobre a anomalia no Twitter. O anúncio diz:

"Alerta emitido: recebemos relatos de que bilhões de XBG foram cunhados, apesar de ter um suprimento máximo de 21 milhões".

O alerta agora também está em destaque na página BitGrin dedicada do CoinMarketCap. Curiosamente, a página também observa que a moeda foi "lançada em 31 de janeiro de 2019 por uma equipe anônima de desenvolvedores". Até o momento, os dados do mercado mostraram que ele se valorizou em 11,5% nas últimas 24 horas.

A mudança de preço de ontem relatada no site representa um ganho de quase 40,6%. Logo após a publicação deste artigo, a criptomoeda perdeu 45% em comparação com o preço de ontem.

Alerta na página CoinMarketCap do Bitgrin. Fonte: CoinMarketCap

Cinco bilhões de XBG extraídos em um único bloco

O desenvolvedor líder do Bitgrin, Pharazen, disse ao Cointelegraph que exatamente cinco bilhões de XBG foram emitidos como recompensa por um único bloco na blockchain, fazendo com que o suprimento total da criptomoeda atinja 5.021.000.000 XBG. Ele disse que sabe que a anomalia era a manifestação de um bug, porque ele próprio minerou o bloco em questão.

Pharazen disse que já tornara as moedas inacessíveis transferindo-as para um endereço que ele próprio não pode acessar, mas admitiu que isso não pode ser provado. Embora ele afirmasse que as criptomoedas com capacidade de reprodução não podem ser queimadas, ele prometeu que planeja implementar um hard fork na rede para tornar as moedas inacessíveis de uma forma publicamente verificável.

Como a Cointelegraph noticiou no final de 2018, uma instância semelhante aconteceu com o fork do Bitcoin, o Bitcoin Private (BTCP). Os desenvolvedores do blockchain em questão confirmaram a criação de 2,04 milhões de unidades do BTCP "que nunca foram criadas para existir no blockchain".

LEIA MAIS