Em 1962, o sociólogo Everett Rogers publicou o conhecido livro 'Diffusion of Innovations', no qual classificava os consumidores nos cinco grupos a seguir: Inovadores, primeiros a adotar, maioria precoce, maioria tardia e retardatários.

Curva de Adoção. Fonte: Business-to-you

Desde a sua criação, o gráfico acima tornou-se amplamente utilizado em muitos setores, embora as novas tecnologias tenham melhor sintetizado essa pesquisa. O gráfico descreve perfeitamente como o perfil psicológico de cada grupo reflete sobre os hábitos do consumidor e como eles abordam produtos e serviços inovadores. Uma das áreas mais importantes a serem observadas é o claro ponto de ruptura conhecido como abismo.

As preferências do consumidor variam amplamente

Essa lacuna entre os primeiros adotantes e a maioria precoce existe porque os consumidores preferem ouvir e copiar as referências de seu grupo. Esse salto representa a transição para um mercado convencional e possui muitas semelhanças com o atual ciclo de vida das criptomoedas.

Portanto, atravessar o abismo é de extrema importância para qualquer produto ou serviço disposto a servir uma base de clientes mais pragmática.

O livro de Geoffrey A. Moore, 'Crossing the Chasm', afirma que, para superar o vazio, o produto deve oferecer uma solução completa, oferecer um alto nível de serviço para atrair pragmáticos e estabelecer uma forte reputação boca a boca.

O crescimento dos smartphones é um ótimo exemplo

Vendas globais de smartphones (milhões). Fonte: Statista

Embora os smartphones sejam hoje um nome familiar, seu crescimento nos primeiros dois anos desse setor foi em média de apenas 20% ao ano. Nos cinco anos seguintes, uma taxa de crescimento de 50% indicou que a tecnologia havia movido um grupo muito maior de usuários.

O iPhone da Apple foi lançado em junho de 2007, vendendo mais de 300.000 unidades no primeiro fim de semana, enquanto o iPhone 3G chegou um ano depois e estabeleceu um recorde de 1 milhão de unidades vendidas no seu fim de semana de estreia.

Nesse cenário, seria de esperar um gráfico de preços estável e saudável para a Apple (AAPL) durante esse período, mas não foi o que aconteceu.

Preço da Apple (AAPL). Fonte: TradingView

Como mostrado acima, ocorreu uma alta de 63% durante o segundo semestre de 2007, mas mesmo esse período enfrentou uma queda de 22% nos preços em apenas cinco dias. O início de 2008 também marcou um período difícil para os acionistas, pois a AAPL caiu de US$ 28 para US$ 18 em menos de um mês.

Durante esse período, as ações da Apple tiveram um desempenho inferior ao S&P 500 em 29,5% no primeiro trimestre de 2008.

Penetração de smartphones nos EUA no mercado de telefonia móvel. Fonte: ComScore

Dados da ComScore mostram que em 2008 a penetração de smartphones nos EUA estava lutando para atingir a marca de 10%. Os consumidores estavam indiscutivelmente na fase de "adotantes iniciais", então os investidores tinham motivos para duvidar de expectativas otimistas, mesmo que fossem provenientes de empresas de investimento respeitáveis.

Bitcoin 2020 x Apple 2008

Comparação S&P 500 (2008) com BTC-USD (2020). Fonte: Cointelegraph

Conforme mostrado no gráfico acima, pesquisas recentes mostram que 11% dos americanos possuem Bitcoin, que é o mesmo nível da penetração de smartphones em dezembro de 2008. Tendências semelhantes podem ser encontradas na volatilidade dos preços e na correlação entre o Bitcoin e o S&P 500.     

Apple (AAPL) e S&P 500 correlação de 90 dias. Fonte: TradingView

Bitcoin e S&P 500 correlação de 90 dias. Fonte: TradingView

Embora o Bitcoin possa ser considerado uma tecnologia inovadora com vantagens indiscutíveis sobre os instrumentos financeiros tradicionais e o próprio ouro, ele ainda tem que provar seu potencial de trilhões de dólares. Mudar os padrões humanos e, mais importante, as crenças, é uma tarefa hercúlea.

A definição de dinheiro tem sido profundamente gravada na sociedade por sistemas fiduciários que dependem de intermediários. Além disso, 'dinheiro' está frequentemente sujeito ao controle errático de governos e bancos centrais. O Bitcoin pode sofrer uma espécie de metamorfose para alcançar a maioria precoce dos pragmáticos.

O lançamento do iPhone 4 em junho de 2010 finalmente deu início a esses pragmáticos. Era a câmera de 5 megapixels com resolução de 720p? Poderia ter sido o lançamento do FaceTime? Talvez tenha sido a App Store atingindo 5 bilhões de downloads ou o contrato de dois anos reduzido de US$ 99 para o antigo modelo 3GS?

É possível que tenha sido uma combinação de cada uma dessas ofertas e marcos de produtos, o que permitiu à Apple contornar o abismo.

Olhando para o futuro

É um exercício infrutífero imaginar o que será necessário para mudar um nicho inteiro de participantes que já estão cientes dos benefícios do Bitcoin, mas até agora permanecem imóveis.
Pequenos catalisadores de adoção para comerciantes e investidores já foram implementados. Por exemplo, BitPay e Coinbase Commerce, mas ainda há muito espaço para melhorias.

Os investidores da Apple que fugiram em 2008 devido à volatilidade no preço das ações, quedas de 20% no valor ou às incertezas da adoção que estão por vir, provavelmente estão arrependidos agora. Isso ocorre porque as ações da AAPL dispararam 520% ​​nos próximos três anos, atingindo US$ 78 no início de 2012.

Um resultado de crescimento semelhante para o Bitcoin elevaria seu preço para US$ 59.900, totalizando uma capitalização de mercado de US$ 1,1 trilhão em 2023. É claro que, para muitos, isso parece incrivelmente irracional.

Uma potencial avaliação de trilhão de dólares para o Bitcoin representa apenas 10% da capitalização de mercado total de US$ 11 trilhões em ouro. Embora possa parecer um número impossível, representa apenas 3% da atual oferta global de notas, moedas e depósitos.

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as visões do Cointelegraph. Todo movimento de investimento e negociação envolve risco. Você deve realizar sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

Leia mais: