O setor de finanças descentralizadas, também conhecido como DeFi, chegou a uma máxima histórica de US$ 24 bilhões em valor alocado, segundo o site Crypto Potato.

Um dos maiores destaques do mercado cripto em 2020, as DeFi começaram 2021 mostrando que estão dispostas a recuperar espaço. Além da máxima histórica em valor alocado, o índice Binance Defi Composite Index, que mede a performance de uma série de moedas DeFi, também atingiu um recorde.

O índice da Binance foi lançado em agosto de 2020, no auge da disparada DeFi no ano passado, acompanhando e medindo a performance de uma cesta de ativos DeFi, que a empresa descreve como "formato padrão":

“Os índices de preços compostos são combinações de diferentes instrumentos subjacentes destinados a medir o desempenho geral do mercado (ou subconjunto) ao longo do tempo. O preço dos índices é geralmente calculado como um preço médio ponderado dos componentes. ”

Entre as moedas com maior presença no índice estão LINK (14%), YFI (7,5%), MKR (7%), Uni (6,5%), AAVE (6%), SNX (6%) e COMP (4,8%).

Com a explosão de preços deste começo de ano no setor DeFi, o índice acompanhou a disparada, anotando uma máxima de US$ 1.261, uma alta de mais de 70% desde o fundo da semana passada, quando houve um crash do criptomercado que interrompeu a ascensão expressiva que vinha desde dezembro.

O valor alocado no mercado DeFi (Total Value Locked - TVL) também tem sido uma métrica importante, representando o equivalente em dólar para as criptomoedas alocadas em contratos inteligentes e plataformas de empréstimos.

Nesta segunda-feira, o índice chegou a incríveis US$ 24,57 bilhões, um recorde histórico, gerando expectativa para que o TVL supere logo os US$ 25 bi. Para se ter uma ideia, esta métrica só superou US$ 5 bilhões em agosto de 2020. Desde então, subiu exponencialmente.

Hoje, a plataforma de empréstimos Maker superou a maior exchange DeFi, a Uniswap, com US$ 4,2 bilhões alocados, e é a líder em TVL. A seguir, vêm Compound (US$ 3 bi), Curve Finance (US$ 2,08 bi) e SushiSwap (US$ 2 bilhões).

LEIA MAIS