Bitcoin é a criptomoeda número 1 entre as mais de 5.000 existente.

A cada 210.000 blocos de transações no Bitcoin, há uma restrição na oferta, que cai pela metade. Dos 7 milhões de computadores estimados em todo o mundo que "mineram" o Bitcoin, o que resolver o quebra-cabeça matemático mais rapidamente que os outros, atualmente recebe uma recompensa de 12,5 unidades da criptomoeda. Cada bloco de transações é processado a cada 10 minutos, aproximadamente.

O halving, em português, significa "reduzir para metade". O que é reduzido é a emissão futura da recompensa que é atribuida ao computador de mineração que decifrou o quebra-cabeça matemático. De 12,5 Bitcoins cairá para 6,25 novos que são criados a cada 10 minutos. Quando visualizada por mês, a mudança é mais perceptível: de 54.000 novos BTC por mês, cairá para 27.000.

Isso significa que a partir de maio deste ano, a cada 30 dias, menos 27.000 Bitcoins serão "impressos". No valor atual de US$ 10.000 por Bitcoin, estamos falando de US$ 270 milhões a menos. Conforme estudado na Economia básica, com a mesma demanda, se a oferta diminuir, ela é ajustada aumentando o preço.

No gráfico, você pode ver como a taxa de emissão de novos Bitcoins está diminuindo em uma porcentagem anual, já sendo menor que a do ouro.

O preço nos halvings anteriores dá esperança para muitos.

Três cenários possíveis:

1) o aumento de preço é antecipado e acaba impactando nesses 90 dias antes do halving, como vimos no início deste ano, quando ele já experimentou um aumento de 40% nos primeiros 40 dias.

2) ou algo semelhante ao passado, onde nos 12 meses seguintes o impacto no preço é percebido, como ocorreu no primeiro halving em novembro de 2012, quando subiu mais de 80 vezes nos 12 meses subsequentes, ou 20 vezes no período, um ano após o halving de julho de 2016. Se a história se repete, dos cenários possíveis, esse deve ser o que tem maior chance de ocorrência.

3) Nada do exposto acima acontece, o Bitcoin e as demais criptomoedas continuam seu curso sem serem afetados pelo preço, embora eu o veja com menos chance de ocorrência, porque nunca aconteceu antes.

Os CriptoNostradamus

As previsões estão disponíveis em todas as cores, em todas as áreas da vida. E especialmente se houver dinheiro em jogo.

Criptomoeda não é exceção. O Twitter está cheio de previsões de todos os preços. Daqueles que afirmam que alcançará 1 milhão de dólares (ou seus membros serão amputados se não acontecer até uma determinada data, como McAffee), daqueles que afirmam com total confiança que valerá zero em alguns meses.

De todo esse barulho, eu gostaria de destacar essas duas, que considero referências muito sólidas, com uma longa história em criptomoeda, que é algo tão novo que é muito estranho de encontrar e com fundamentos que excedem a simples previsão de um preço aleatório.

1) Wences Casares, fundador da Xapo.com, estima que 1 Bitcoin em 2020 poderia chegar a US$ 100.000. Wences é quem mantém ao longo da história de sua participação nas criptomoedas e quem ganha mais dinheiro com posições longas, e não tenta acertar o humor do mercado comprando e vendendo.

2) Tim Draper, um investidor de risco e bilionário muito famoso nos EUA, prevê US$ 250.000 até 2022, com base nessa data, que representaria 5% do mercado total de criptomoedas. Draper foi quem previu o Bitcoin em US$ 10.000 no final de 2017 e o preço acabou sendo o dobro.

Além das previsões, gosto de dizer que o preço de hoje é uma anedota. Há apenas três anos, o Bitcoin valia cerca de US$ 1.000. Se a previsão de Wences, por exemplo, acabar sendo correta e um Bitcoin atingir US $ 100.000 nos próximos 10 meses de 2020, então, tendo comprado a US$ 9.200 ou US$ 10.700 é praticamente a mesma coisa, multiplicaremos aproximadamente 10x o dinheiro.

O preço reflete apenas o resultado entre uma revolução a ser imposta e a ordem financeira estabelecida, que obviamente não quer que nada mude. A América Latina é a região do mundo que mais se beneficiará com o surgimento das criptomoedas. Uma região historicamente com tanta incerteza política e econômica, encontrando no Bitcoin a certeza da ocorrência do seu halving em maio de 2020, é uma gota de esperança que depende da transformação que essa criatura de apenas 11 anos de vida pode nos oferecer.

Gonzalo Arzuaga gerencia portfólios de investimentos em criptomoeda em seu cargo de gerente de fundos na Terrifico.Capital. Empreendedor experiente na Internet (ele já vendeu duas empresas), ele também é o autor de "Criptomoedas", seu livro número 11. Ele criou o Bitcoinario.com para 'evangelizar' sobre o impacto da revolução das criptomoedas na América Latina.